Oteque: um presente para Botafogo

destaque_oteque

Sabe aquele cheirinho de novo? Mas literalmente falando? Então, assim está o Oteque, empreitada carioca do premiado Chef Alberto Landgraf  depois de 2 anos sem casa fixa, desde que o estrelado restaurante paulista Epice (uma estrela Michelin) fechou as portas, em janeiro de 2016, após a sua saída.

Eu acompanhei todo o período de obras, por meio da Nathalie Passos, sua noiva e Chef do Naturalie, restaurante vegetariano pelo qual sou apaixonada ❤️.

Bem, o esquema é o seguinte: reserva antecipada. Você faz a reserva pelo site e todo o processo é feito via e-mail (incluindo até questões de restrição alimentar) já que é um menu degustação – alterado, a princípio, quinzenalmente.

Confesso que é minha primeira experiência com esse tipo de menu. Sou bem reticente em ir a um restaurante sem saber o que vou comer, mas para tudo na vida existe uma primeira vez e a minha não poderia ser melhor.

Ver a equipe cozinhar foi incrível! Sério, não poderiam ter me posto em melhor lugar. Além da luz para as fotos ter ficado demais. Isso é que é um lindo gol pra mim! Uma luz perfeita para minhas fotos!

No fundo, oposto à cozinha, tem um bar comandado pela bartender carioca Mariana Burity – que já passou pelas cozinhas do Teva e do Ró-Raw&Wine.

Fui com uma amiga que é Chef e que conheci por meio dos stories (viu como é possível ser amigo na vida real?!). Ela pediu um Gim e amou! Amou tanto que repetiu. ❤️

Assim que chegamos, fomos recebidas com um pão da casa (quentinho) de semolina acompanhado de uma manteiga com salzinho MARA!

O primeiro snack foi pirão de cabeça de camarão, camarão grelhado, gordura de porco e folha de azedinha. Incrível… acho que vocês vão ler essa palavra algumas vezes.

Em seguida, comemos um olho de cão curado, cozido no vapor com três tipos de acidez: limão siciliano, picles de maçã verde e vinagre de saquê envelhecido por 15 anos. Céus, as misturas são incríveis demais.

Lambreta ao leite de castanha foi nosso terceiro snack! Duas lambretas no vapor. Estavam divinas… gente, nem tenho palavras para descrever. Apenas muitos, dezenas, centenas de beijos no estômago.

destaque_oteque_menor
Que tal agora eu contar dos cinco tempos do cardápio? Curiosos????

Primeiro – Boudin de foie gras, acompanhado de palmito pupunha e emulsão de tucupi. Esse foi uma flechada no meu coração. Deus, por que me apresentastes esse prato? ❤️

Segundo – Creme de anchova, batata baroa, cogumelo em juliene cru e farelo de cogumelo Paris. MARA REAL!

Terceiro – Namorado na salmora e cozido no vapor, com salada de cenoura com tutano e creme de salsinha. Boooom… Só acho que a cenoura estava um tico doce demais. Porém, nada que tenha atrapalhado a minha deliciosa experiência!

Quarto – pescoço de cordeiro, com molho feito da própria redução do processo de cozimento, vagem branqueada e picles de cebola. Arrazô e ponto.

Quinto – sorvete de milho verde, tangerina fresca, trigo sarraceno e caramelo de chocolate ao leite. Morta com tanta gostosura. Eu tomaria litros desse sorvete… garrei amor! Não vende o pote, não?!

E vocês pensam que acabou? Um Orfeu Orgânico expresso fechou essa experiência incrível!

Detalhe: playlist BAPHOOOOO! E a Dj? Nat Passos.

Curiosidades:

  1. O nome Oteque é um sufixo que designa “o lugar de, no sentido de coleção”. É inspirado nos teques ou tecas de enoteca, biblioteca etc (viram como o Beijo também é cultura?? Rs…).
  2. Projeto e iluminação são assinados pela arquiteta Bel Lobo, de quem sou muito fã!
  3. Tem um aquário posicionado no próprio salão que traz uma variedade de frutos do mar frescos. As opções, como vieiras, lambretas, camarões, mexilhões e ostras de mangue, são enviadas vivas ao restaurante por fornecedores do Nordeste e de Angra dos Reis.
  4. Alguns clássicos do Epice estão de volta, como a cebola assada com ouriço e creme de mexilhões, o sorvete de castanha crua, o alho-poró assado com vinagrete de tucupi e, eventualmente, o pé e a barriga de porco.
  5. A carne vermelha está presente, mas em menor quantidade. O Oteque usa a carne de um boi pantaneiro criado no Mato Grosso do Sul, com certificação orgânica, para dar valor à produção de forma menos danosa ao ambiente.
  6. Horário: de terça a sábado, de 19h30 a 00h. C.c: todos. C.d: todos. Reservas pelo site www.oteque.com

Oteque
Rua Conde de Irajá, 581, Botafogo – Rio de Janeiro